LFBR

Edmund Dante

em 28/9/2019, 23:55




https://vignette.wikia.nocookie.net/deathbattlefanon/images/2/21/Spike_Spiegel.jpg/revision/latest?cb=20150201194945
https://i.gifer.com/DSF.gif
Edmund Dante

B
Assassino
Masculino
25 Anos
1,81 m
72 Kg
O-
Itália

151
200
31
67
251

Seul
1.000
Nenhuma
Freelancer
0
0
0 G$
Desconhecido
0
0
Atirador
1
Casa medíocre, puxadinho bem acabado. Mas dá pra viver.
400 G$
Sem plano se saúde



STATUS

UNDEFINED

BIOGRAFIA

CLASSE

INVENTÁRIO


UNDEFINED

<< UNDEFINED >>

















NOME:

Undefined

RANK:

X

TÍTULO:

"Undefined"

CLASSE:

Undefined

GÊNERO:
 
Undefined

IDADE:

XX anos

ALTURA:

x,xx m

PESO:

xx Kg

TIPO SANGUÍNEO:

XX+

LOCALIZAÇÃO:

Undefined

G$:

000.000.000

ORIGEM:

Undefined







FORÇA:

0

INTELIGÊNCIA:

0

AGILIDADE:

0

SENTIDOS:

0

VITALIDADE:

0

HP:
0

MP:
0



Utiliza de um sobretudo negro, indo até seus calcanhares os quais estão calçados por uma bota negra como o solitário céu da meia noite. Seus cabelos são volumosos e espetados, um pouco bagunçados para falar a verdade, já que descuido está estampado em seu rosto. Geralmente está sempre com um sorriso de canto no rosto, esbanjando irônia ou desprezo para pessoas ou mesmo monstros. Não importa. São todos iguais no fim das contas. Dentro do grande sobretudo costuma guardar suas coisas nos bolsos ou tiras quais costuma deixar suas armas. Todas de porte pequeno, em maioria, mas sempre há espaço para exceções.


Sempre esboça um sorriso de canto no rosto, embora seu coração não esteja sorrindo há muito tempo. Gosta de ironizar e desprezar suas prezas, sejam elas humanas ou monstros. Em geral, costuma levar tudo como uma grande brincadeira ou como se não tivesse importância alguma, porque de fato, realmente não tem para ele. Está a mercê do mundo, esperando por sua morte ou a de quem estiver próximo sem ligar para isso, voltando a viver flertando com a morte, para pelo menos sentir algo em seu peito. Atravessar ruas movimentadas sem olhar para os lados, ir em direção onde há mais barulho ou feras monstruosas. Coisas desse tipo, coisas que despertam sua adrenalina. Histórias que talvez queira compartilhar consigo mesmo, ou com alguém próximo, pois talvez no fundo ainda queira viver. Sua relação com sua irmã é bastante saudável, ambos se ofendem o tempo todo como forma de descontração, e nada acontece quanto a isso, apenas risadas são ressoadas.


Essa história não possuí um contador interessado ou feliz por compartilhá-la. Ele poderia dizer que trata-se mais de um desabafo do que qualquer outra coisa, uma forma de tentar desatar-se de um fardo tão pesado ou pelo menos, diminuí-lo um pouquinho que seja. De toda forma, como pedido deve ser contado, já que nenhum segredo dura por tanto tempo... Esse também não deverá durar.

"Me deixe te contar uma história sobre tragédia e amor."

Ele pensou na seguinte frase, se fosse compartilhar isso para alguém algum dia. Sua irmã sabia bem sobre todo o fardo que carregava, embora muitos dissessem que não se passava de uma farpa no dedão. E talvez fosse mesmo, talvez fosse. Mas ele não acreditava nisso.

Estapeou seu sobretudo tirando a poeira resguardada nos ombros, e lembrou-se de como havia parado ali, na saída do hospital. Seus dias nunca foram dos mais fiéis ou bondosos, ele não era um homem que seguia a lei. Mas estava prestes a fazer isso, por algum motivo. Anos atrás viveu do dinheiro de assaltos e tráfico de drogas e armas, agindo dentro de uma máfia na itália. Os dias eram mais fáceis de serem vivídos assim, com grana fácil. Já que trabalhar não era bem uma opção válida para alguém que indesejava muito trabalho e pouca remuneração, indo sempre atrás dos golpes que mais lhe interessavam. Sim, a remuneração não era bem dinheiro em si, mas na maioria das vezes, era a sensação de perigo, de adrenalina e seu coração batendo fortemente fazendo-o lembrar-se de que ainda vivia. Era algo que raramente sentia, mas apreciava toda vez que ocorria.

Então ele estava sempre vivendo perigosamente, à beira do abismo flertando com a morte por muitas vezes. Isso era o que o fazia sentir vivo, até que enfim conheceu alguém que fez seu coração bater tanto quanto a ceifeira de vidas. Cabelos negros, uma pele tão branca quanto a neve e lábios carnudos. Esguia e ao mesmo tempo curva, com pernas generosas. Foram nessas curvas que seu coração se perdeu e se entregou por completo. Tinha um motivo para amar a própria vida, para temer a morte desde então.

Foi aí que começou a ter prazer, em todos os sentidos. Passou a interessar-se por luta corporal,
- em todos os sentidos de novo, tehe - e aprendeu novas coisas, além de ser capaz de possuir grande equilíbrio tanto quanto um malabarista ou dublê de circo. Sua vida como mafioso estava acabada, não queria mais isso.

Ele queria então deixar a máfia, viver uma vida tranquila com aquela mulher por quanto tempo fosse possível. Mas sua culpa, seus pecados e crimes impediram isso. Foi numa conversa intensa com ela, entre lábios e seios que uma multidão de explosões se instalaram no recinto. Seus instintos adormeceram quando algo caiu próximo de si, tapando toda a visão enquanto poeira era elevada. Dormiu como um bebê, e quando acordou, estava no hospital. Os instintos que outrora já eram bem afiados, como atirador, como lutador, acabaram ficando ainda maiores. Ele era capaz de lutar e acertar qualquer um até mesmo no escuro, não que já não fosse um exímio atirador. Mas nada disso importava. Ele não sabia onde aquela mulher havia ido parar, Julia, se estava realmente viva ou não. Por tantos anos sumida, bastou então enterrá-la, e foi o que fez. Lá chovia, e lá tinha reencontrado sua irmã depois de alguns anos. Mas aquela velha vontade, ou melhor, falta de vontade, havia retornado. Isso foi conclusivo no momento que seus olhos foram de encontro ao tumulo da mulher que amou.

Mas aceitou. Imaginava que estava pagando por tudo que havia feito aos outros, e deveria ser assim agora. Talvez devesse ajudar a sociedade em busca de uma compensação pelo que fez ou... Simplesmente deixar acontecer, e foi deixando acontecer que acabou indo parar na coreia. Conseguindo dinheiro em bicos aqui e ali.

AFILIAÇÃO:
--
CARGO:
Freelancer
MISSÕES CONCLUÍDAS:
0
MISSÕES FRACASSADAS:
0
SALÁRIO:
0 G$

GRAU DE FAMA:
Desconhecido
PONTOS DE FAMA:
0
PORTAIS CONCLUÍDOS
0


PLAYERS


NPCS






CLASSE:
Undefined

SUB-CLASSE:
Undefined

NÍVEL DA SUB-CLASSE:
Grau 1


• Sangue Frio
• Acrobacia
• Armas de Fogo (Pistolas)
• Artes Marciais - Jeet Kune Do
• Luta às cegas





Traiçoeiro
NOME: Traiçoeiro

DESCRIÇÃO: O assassino é um legítimo mestre no assassino, sempre que possuir uma sequência de ataques consecutivos em seu alvo, o seu próximo ataque ludibriará a defesa do alvo, conseguindo ter cem porcento de acerto em conjunto de um dano extra.

CONDIÇÃO: Necessário 3 ataques consecutivos, gerando assim, um ataque limpo. Deve se ressaltar que, se o adversário estiver usando escudo ou algo do gênero, pode não atingir o HP diretamente, mas sim a habilidade do alvo.

BÔNUS: +25% em Força.

Marca
NOME: Marca

DESCRIÇÃO: Após zerar o HP de uma Besta/Npc/Player, desde que seu seu ataque seja o último a matar o alvo, o atirador obtém um aumento em suas capacidades de acerto durante um determinado tempo.

CONDIÇÃO: É necessário zerar o HP do alvo ou pelo menos dar o golpe final para ativar essa passiva e sua duração máxima é de 1 turno.

BÔNUS: +25% em Sentidos.




ITEM: Presente da Associação

DESCRIÇÃO: Uma Arma que a Associação presenteia a caçadores iniciantes. Eles permitem até mesmo que escolham sua favorita.(Item mundano, não dá bônus).


G$: 000.000.000




MORADIA
LOCALIDADE:

CUSTO: 0 G$




DESPESAS

FATURA HOSPITALAR:

































DEV.Reme
DEV.Reme

MENSAGENS

Æther

DINHEIRO
Mensagens : 649
Dinheiro : G$ 1,000
Localização : Seul
Rank B

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Layout desenvolvido por Roevs, Remenuf e Mizzu
SOLO LEVELING RPG (2018 - 2020)